Shivá: Como é o Luto no Judaísmo?

shiva luto judeu judaísmo

O Judaísmo é considerada a primeira religião monoteísta da história e, com ela, ao longo do tempo, foram criadas tradições importantes para o bem-estar dos fiéis como, por exemplo, a forma de lidar com o luto, ou a Shivá.

Lidar com o luto da perda de um ente querido é difícil e, por isso, cada religião costuma orientar seus fiéis, sobre qual a melhor forma de agir após essa perda, e essa orientação é pautada em suas crenças e costumes adquiridos durante anos.

Neste texto vamos falar um pouco mais sobre a Shivá, período de luto ensinado pelo judaísmo, o que é e como ele funciona. Continue a leitura e entenda como funciona. Como os Judeus encaram a morte?

Cada cultura tem uma forma de ver a partida. A tradição judaica ensina aos Judeus a encararem a morte com respeito, mas ensina também que não devemos temê-la.

Para os Judeus, após a morte, existe um processo de reencarnação de partes da alma que ainda precisam voltar e evoluir. Em um texto publicado pela Sinagoga Hebraica Portuguesa de São João de Meriti, explica-se que “uma alma poderá regressar a este mundo diversas vezes, em diferentes corpos, e assim poderá consertar o que a prejudicou em vidas anteriores, ou completar qualquer assunto que tenha ficado pendente”.

Segundo o judaísmo, todo esse processo de transferência acontece em forma de etapas, em um processo lento, que ocorre enquanto o corpo passa pela decomposição e a separação da alma.

Esse processo acontece da seguinte forma:

  • A morte;
  • O enterro;
  • 3 dias após a morte;
  • Uma semana após a morte;
  • 30 dias após a morte;
  • 3 meses após a morte
  • 11 meses após a morte;
  • E finalmente um ano após a morte.

Abaixo vamos especificar melhor sobre a etapa que ocorre durante sete dias após a morte: a Shivá (às vezes grafado como Shiv’ah, שבעה em hebraico, literalmente “sete”)

O que é Shivá?

A experiência religiosa Judaica acumulada por séculos e a sensibilidade da Torá, bíblia Judaica, ensinou aos praticantes da religião uma forma muito organizada de lidar com a morte e o luto.

Nesse processo, o judaísmo separa o luto em períodos graduais nos quais o enlutado consegue liberar e expressar suas dores e tensões causadas pela perda.

Shivá é um dos primeiros processos desse luto e se inicia imediatamente logo após o enterro do corpo e se encerra depois de sete dias de reclusão do enlutado.

Como é praticado a Shivá?

Durante o período da Shivá, o enlutado fica em uma forma de recesso, dentro do seu próprio lar, no qual vive os dias de luto intensamente, não participa de viagens, eventos ou se mistura socialmente.

Essa tradição de ficar em casa e recluso se baseia em dois motivos:

  1. A razão prática, na qual o enlutado está proibido de experimentar prazeres e fazer negócio e, por isso, a sua casa é o melhor lugar para que ele fique.
  2. Segundo o judaísmo, o luto é uma profunda experiência em solidão e, por isso, esse período de reclusão irá ajudá-lo a se curar da perda.

Segundo o judaísmo, o corte dos vínculos de uma alma a outra requer um grande senso de solidão e é precioso permanecer incomunicável para que se possa expressar de forma real o sofrimento por essa ruptura de comunicação com quem amamos.

Além disso, é obrigação de toda a sociedade judaica, enquanto o enlutado estiver recluso, ir até à sua porta e confortá-lo com palavras sobre o falecido e o ajudando a se encaixar novamente em uma estrutura social.

A partir desse momento, com a ajuda da sociedade judaica, o enlutado começa a passar mais tranquilamente pelo processo de luto. Mesmo que ele permaneça dentro de casa, não se preocupe em se arrumar, use roupas que não usaria normalmente, o enlutado recebe seus conhecidos que chegam até ele com objetivo de expressar solidariedade. Assim, esse retiro realizado dentro de si mesmo começa a surtir efeito e ele começa a entender, com mais clareza, todo o processo que está vivendo.

Quais são os outros períodos de luto do judaísmo?

Além da Shivá, outras etapas são incluídas no luto do judaísmo. Ao todo são cinco estágios que devem ser vividos e respeitados.

O primeiro período é conhecido como Aninut, realizado entre a morte e o enterro. Este é o período mais intenso do luto e é quando a perda do ente querido ainda não foi assimilada pelo enlutado. Nessa fase, exigências religiosas e amenidades sociais são canceladas por causa do estado de espírito que a pessoa enlutada pode estar.

O segundo período acontece nos três primeiros dias após o funeral, conhecido como “choro e lamentação”. Nessa fase é desencorajada as visitas ao enlutado, pois é considerado cedo demais para que haja qualquer tipo de interação com as demais pessoas ao redor.

Aí sim vem a Shivá que ocorre, a princípio, junto ao segundo período.

O quarto estágio é o Sheloshim, que se refere aos 30 dias após o enterro. Nesse período o enlutado é encorajado a sair de casa após a Shivá e ir retornando, aos poucos, ao contato e convívio social. É importante ressaltar que nesse período o corte de cabelo ainda é proibido para os homens.

O quinto e último estágio acontece por dois meses e incluem o Sheloshim. Nesse período as coisas já retornaram ao normal e o enlutado já consegue realizar negócios. Porém, ainda existe o sentimento ferido pela ruptura com o ente querido.

Ao fim desse último estágio, espera-se que o enlutado prossiga com o luto por um período de doze meses, ou seja, que continue com o processo de luto até que esteja, de certa forma, curado e possa retornar para sua vida normal.

Vale ressaltar que, para os Judeus, o luto é um processo gradual e muito bem definido. Assim, seguindo os estágios da forma com que é recomendado, todo o processo fica mais fácil e você conseguirá seguir em frente da forma considerada correta.

Curtiu as informações? Veja como o Grupo Zelo pode dar apoio em momentos difíceis como a perda de uma pessoa querida. Conheça nossos planos funerários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima